MAR

Em 2015, o Registo Internacional de Navios da Madeira, conhecido por MAR, apresentava um total de 399 embarcações registadas (contra 325 em 2014), das quais 290 navios de comércio (+ 68), 68 embarcações de recreio (+ 7) e 41 iates comerciais (- 1).

A idade média dos navios era de 11,9 anos (contra 13,1 em 2014), a tonelagem de arqueação líquida era de 4.208.659 (+ 1.906.995 do que em 2014) e a tonelagem de arqueação bruta era de 7.925.042 (+ 3.514.159).

De acordo com dados do MAR, entre os navios de comércio, predominavam os porta-contentores (130, ou 48% do respectivo total), seguidos dos navios de carga geral (22,7%), petroleiros e navios-tanque (10,3%), navios de passageiros (8,3%), navios ro-ro e ferries (5,2%), transportadores de gás liquefeito (3,5%), rebocadores (2,5%), plataformas petrolíferas (1,7%),barcaças (0,7%) e dragas (0,3%).

A Alemanha continuava a ser o país com maior número de navios de comércio ali registados (192, ou 66,2%), a larga distância do segundo país com maior número de navios registados, a Itália, mais uma vez (32 navios, ou 11,1%), da Espanha (24 navios, 8,3%), Portugal e Noruega (12 navios cada um, 4,1%). Os restantes países tinham 18 registos, equivalentes a 6,2%.

Relativamente aos marítimos empregados em navios registados no MAR, os últimos dados disponíveis são os de 2014: 4.968 marítimos, dos quais 350 portugueses, ou seja 8% do total. Segundo apurámos, face a 2013 (303 marítimos portugueses empregados), este número de nacionais representou uma subida de 15,5%.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill