Cabo da Roca e Cabo e São Vicente

Desde 4 de Fevereiro que os Esquemas de Separação de Tráfego do Cabo da Roca e Cabo de São Vicente dispõem em funcionamento de uma nova tecnologia de apoio à navegação marítima. Trata-se do Automatic Identification System (AIS), que opera como AtoN (Aid to Navigation), mas na modalidade Virtual, e Portugal é dos poucos países a possuí-la.

Embora o AIS seja utilizado pelo meio marítimo há décadas e Portugal já disponha da modalidade AtoN Real há alguns anos, agora existe uma versão Virtual na qual a mensagem de apoio à navegação é transmitida a partir de uma estação remota. Na versão, existe uma ajuda física co-localizada com o equipamento AIS.

“O princípio do funcionamento do AIS como ajuda à navegação baseia-se na transmissão de uma mensagem, a qual, ao ser recebida pelos navios que se encontram na área (alcance VHF), é descodificada pelos equipamentos de bordo e representada nos respectivos displays, indicando qual a marca (ajuda à navegação), posição e significado”, esclareceu-nos Santos Teles, Chefe da Divisão de Estudos da Direcção de Faróis da Marinha.

Isto significa que ao contrário das “ajudas à navegação tradicionais, que são essencialmente passivas”, tendo o navegador que localizar e identificar o apoio, “neste caso a própria ajuda alerta o navegante para o local onde se encontra implantada e qual a sua função”, referiu-nos Santos Teles. Originalmente destinado a transmitir informação dos navios para terra ou entre navios, ao longo dos últimos 10 anos o AIS “começou a ser utilizado numa nova componente, como ajuda electrónica à navegação”.

A novidade do sistema agora implementado “tem a ver com o método de transmissão”, referiu-nos o mesmo responsável. “Desenvolvido pela Direcção de Faróis, em estreita cooperação com a Direcção das Tecnologias de Informação e Comunicação da Marinha”, é específico “para a realidade nacional, pois apoia-se na rede de transmissores VHF de que a Marinha dispõe” e não em qualquer ajuda física no local. E pode aplicar-se junto “das entidades nacionais responsáveis pelo assinalamento marítimo, nomeadamente nos Países de Língua Oficial Portuguesa”.

Como o desenvolvimento “foi essencialmente ao nível da expertise e dos recursos humanos residentes”, segundo Santos Teles, torna-se “difícil quantificar valores” relativos ao investimento efectuado.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill