Dados do ReCAAP revelam que este período foi o de menor registo de actos de pirataria e assaltos à mão armada naquela região desde 2007, mas sublinham a preocupação com o aumento de incidentes em ancoradouros chineses
Sun Princess
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Os actos de pirataria e assalto à mão armada sobre navios diminuíram 52% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo de 2018, revela um relatório do Acordo de Cooperação Regional sobre Combate à Pirataria e Roubo Armado contra navios na Ásia (conhecido pelo acrónimo em inglês, ReCAAP), citado por vários meios de comunicação internacionais.

O número total de incidentes, somente assaltos à mão armada, foi de 10, dos quais 9 concretizados e um sob a forma tentada, contra 21 incidentes no mesmo período de 2018, dos quais 15 concretizados e seis tentados, refere o documento do ReCAAP, sublinhando que os valores do primeiro trimestre deste ano são os mais baixos dos últimos 13 anos (2007-2019), quer em incidentes concretizados, quer em tentativas.

Segundo a mesma fonte, ocorreram melhoramentos em alguns portos e ancoradouros no trimestre em análise, face ao trimestre homólogo de 2018, mais visíveis na Indonésia, onde se verificaram três incidentes, contra nove no mesmo período de 2018. Mas registaram-se também melhoramentos nos portos e ancoradouros no Bangladesh, na Índia e no Vietname, onde não ocorreram incidentes, ao contrário do mesmo trimestre de 2018, quando se verificaram sete ocorrências relatadas (3 no Bangladesh, 2 na Índia e 2 no Vietname).

O que mereceu maior preocupação no relatório do ReCAAP sobre o primeiro trimestre deste ano foi o aumento do número de incidentes em alguns ancoradouros na China e de casos de roubo de sucata de barcaças durante a navegação no Estreito de Singapura.

O documento do ReCAAP reiterou a necessidade de agências de segurança reforçarem a vigilância, aumentarem o patrulhamento e responderem prontamente aos relatos de incidentes. Além disso, os capitães e tripulantes dos navios são aconselhados a exercerem vigilância, relatarem de imediato todos os incidentes ao Estado costeiro e Estado de bandeira mais próximos e implementarem as medidas preventivas recomendadas em vários documentos oficiais sobre a matéria.

Entretanto, o relatório anual do ReCAAP sobre 2018 revelou que nesse ano ocorreram 76 incidentes de pirataria e assalto à mão armada contra navios relatados na Ásia, dos quais 62 concretizados e 14 tentados. Desse total, 4 foram casos de pirataria e 72 de assalto à mão armada. Tais números representaram um decréscimo de 25% no número de incidentes de 2017, e menos 31% no caso de incidentes concretizados. O ReCAAP sublinhou ainda que o número total de casos de 2018 foi o mais baixo desde que tem registos, ou seja, 2007.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill