Com o auxílio do NOAA Fisheries o Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos emitiu uma licença para restringir operações de mineração em certos períodos e a determinados metros de profundidade e milhas da costa
USACE
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos (USACE, sigla em inglês) emitiu recentemente, para consulta pública, uma Licença Geral para Operações de Mineração Flutuantes nas águas navegáveis do Alasca, incluindo águas marinhas. A licença inclui novas medidas para proteger o caranguejo e o salmão vermelho, avançou o NOAA Fisheries, o serviço de administração oceânica e atmosférica norte-americano, tutelado pelortamento de Comércio do Governo de Washington.

Estas espécies migram através do Golfo de Norton (Norton Sound), um braço de mar na costa oeste do Alasca, e para os rios para desovar. Mas as operações de mineração dragam de tal modo águas próximas à costa que aspiraram substratos de cascalho e areia. Pelo que as novas licenças restringem tais operações de mineração durante certos meses de Primavera e Verão, quando o caranguejo-rei vermelho juvenil se instala no fundo do mar. Serão também restritas em águas com profundidade superior a cerca de 9 metros (até porque as áreas mais profundas necessitam de um tempo de recuperação maior) e dentro de uma milha náutica de bocas de rios para evitar áreas onde se concentra o salmão.

Nos últimos anos, investigadores e cientistas da Universidade do Alasca, Fairbanks e do Alaska Fisheries Science Center utilizaram amostragem de linha de base, análise, monitorização e novas tecnologias para estudar os habitats marinhos, nomeadamente no Alasca (estudos que realizam desde 1999) e auxiliar o USACE na tomada de decisões para equilibrar os interesses de mineração e a sustentabilidade dos recursos.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill