O IX Troféu Brisa é já dia 23 de Setembro, aberto a todos os interessados. No entanto, esta prova de vela é especialmente dedicada a pessoas com necessidades especiais. Hoje, será o passeio no âmbito do XI Encontro de Velas Sem Limites
Troféu Brisa
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Arranca hoje o XI Encontro de Velas Sem Limites, e, amanhã o IX Troféu Brisa, ambos promovidos pelo Clube Naval de Cascais, pela Câmara Municipal de Cascais e pela Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Cascais (CERCICA). O Passeio de hoje começará às 10h00, em Cascais, em embarcações Access, de forma a experimentar vela adaptada.

A prova, aberta a todos os velejadores, portadores ou não de necessidades especiais, é disputada amanhã, 23 de Setembro, com largada da primeira regata às 12h00, mediante confirmação de inscrição até às 11h00. Esta prova decorrerá em barcos de classe Access 303 com tripulações duplas e mistas, sendo que cada participante terá um velejador da Vela Sem Limites a acompanhar.

Os quatro barcos para a prova serão cedidos pela organização e a prova será realizada por mangas eliminatórias, de onde sairão quatro vencedores – os quatro primeiros classificados de cada classe – que levarão a Taça para casa.

O evento, cujo número máximo de participantes é 32, perfazendo 16 tripulações, conta já com 16 inscrições. O retorno é positivo. “As pessoas com necessidades especiais que praticam vela sentem-se muito bem nesta prática, que muitas vezes as faz sentir livres de uma forma que lhes é impossível em terra, já que muitas delas se encontram dependentes de cadeiras de rodas para se movimentarem” refere a Brisa, cuja expectativa é que este seja um fim-de-semana “de convívio e prática desportiva, bem passado”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill