As recentes exportações petrolíferas dos Estados Unidos chocaram com a falta de infra-estruturas preparadas para responder às necessidades de transporte do produto. Um novo porto no Texas contribuirá para dar essa resposta
Aditivo renovável
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Trafigura concorreu à construção de um porto de águas profundas no Texas, destinado a responder às crescentes necessidades de infra-estruturas de exportação de petróleo dos Estados Unidos, refere a Safety4Sea.

De acordo com a publicação, o porto poderá receber super-petroleiros, como os chamados very large crude carriers (VLCC, com portes brutos, ou deadweight tonnage, entre 180 mil e 320 mil toneladas, e comprimentos superiores a 470 metros), através de um sistema de bóias de ancoragem de ponto único (single-point mooring buoy system, ou SPM), que contribuirá para eliminar tráfego marítimo desnecessário nos portos interiores.

A nova infra-estrutura também incluirá um novo terminal onshore alimentado por um oleoduto próximo de Corpus Christi e terá uma capacidade para cerca de 500 mil barris diários.

Actualmente, com o aumento do volume de exportação petrolífera dos Estados Unidos, na ordem dos 2 milhões de barros por dia, não existem portos interiores capazes de receber os VLCC, pelo que o abastecimento do petróleo é feito por transferência de navio para navio, refere publicação com base em dados da Reuters.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill