São conclusões da NASA, que realizou um estudo que conclui que tempestades extremas são formadas quando a temperatura da superfície do mar é superior a 28 graus celsius.
Chistopher Sabine
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Um estudo recente realizado pela NASA mostrou que o aquecimento dos oceanos tropicais pode levar a um aumento substancial de tempestades até ao final do século. De acordo com o estudo, as tempestades extremas (usualmente com 3 milímetros de chuva por hora numa área de 25 quilómetros) são formadas quando a temperatura da superfície do mar é superior a 28 graus celsius.

 

“É do senso comum que as tempestades mais agressivas aumentarão com a subida das temperaturas. Até porque as mesmas ocorrem tipicamente na estação mais quente do ano”, explicou Hartmut Aumann, do Laboratório NASA’s Jet Propulsion, na Califórnia. “Mas os nossos dados fornecem a primeira estimativa quantitativa de quanto devem estas mesmas tempestades aumentar, pelo menos tendo em conta os oceanos tropicais”, refere aquele responsável.

 

O que projectam, neste sentido, os modelos climáticos é que, com o aumento constante do dióxido de carbono na atmosfera (1% ao ano), as temperaturas da superfície dos oceanos tropicais poderão subir até 2,7 graus Celsius. Pelo que a equipa conclui que se tal acontecesse, a frequência de tempestades extremas aumentaria até 60% na época.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill