Há quem defenda que os ataques cibernéticos podem ser menos frequentes se houver mais progressos e formação na área.
O Imperativo da Cibersegurança
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

“Sem formação ou inexperiente” é a categoria de profissionais sobre a qual estão a incidir as culpas para a maioria dos ataques cibernéticos e, ao mesmo tempo, a área onde têm sido levados a cabo menos progressos, segundo Willis Towers Watson e uma pesquisa da ESI ThoughtLab intitulada «O Imperativo da Cibersegurança», refere o Safety4Sea.

Os ataques mais comuns: malware e spyware (81%), violações de segurança (64%), hackers externos não sofisticados (59%, crimes cibernéticos (57%), que ditam o problema – pouca consciencialização sobre segurança cibernética das empresas. E quando as empresas se dedicam a este tema, nem sempre incidem no essencial: as ameaças externas, de parceiros ou vendedores, acabando por se focar em “Hacktivists” (52%) e ameaças internas maliciosas (40%).

Os “líderes de segurança cibernética estão a dedicar recursos significativos à protecção das funções de TI e de risco, nas suas organizações, contra ameaças externas, mas os processos e treino de funcionários, bem como a cultura corporativa, desempenham um papel mais importante do que muitos imaginam”, conclui Willis Towers Watson.

Recorde-se que nos últimos anos, algumas das maiores e principais empresas de transporte marítimo foram alvos de ataques informáticos que prejudicaram os respectivos serviços e tiveram consequência nos resultados financeiros.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Da Cartografia na Antiguidade até à Cartografia Portuguesa

    Novembro 16 @ 15:00 - 17:30
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill