Acusando as associações patronais com quem negoceiam de má-fé e manifestando surpresa pela criação de um sindicato alternativo ao seu, o SEAL concedeu um prazo de 30 dias para concluir o acordo sobre o Contrato Colectivo de Trabalho relativo aos estivadores do porto de Setúbal
Porto de Setúbal
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Os associados do Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística (SEAL) no porto de Setúbal decidiram ontem, “em Plenário de trabalhadores, conceder uma moratória de 30 dias, até ao próximo dia 25 de Abril, para conclusão do processo de negociação do CCT (Contrato Colectivo de Trabalho)”, cujas negociações estão em curso e já se traduziram em 100 dias de diálogo e 11 reuniões, segundo nota ontem divulgada à imprensa pelo SEAL.

Na mesma nota, o SEAL acusa as associações patronais envolvidas nas negociações de má-fé negocial, traduzida na apresentação, por parte dessas associações, “de uma proposta salarial bastante inferior a outra apresentada pelas mesmas Associações em Julho do ano transacto, ainda mais distante da posição sindical”. E refere que a confiança do sindicato nas associações patronais “tem esbarrado na falta de regras operacionais que algumas empresas têm desenvolvido, no terreno, a fim de manterem uma grande parte destes trabalhadores reféns de práticas contratuais do século passado”.

O SEAL manifesta também a sua surpresa com a “publicação em BTE do registo de constituição de uma nova organização sindical – o sindicato 265, código telefónico da região – para representar estivadores no porto de Setúbal”, alegadamente “constituído por 8 dos 10 trabalhadores que durante o processo de luta dos seus companheiros de profissão os abandonaram, assinando contratos individuais com a OPERESTIVA/YILPORT”.

O sindicato constata a “participação de um elemento do gabinete jurídico da YILPORT – a Dr.ª Carlota Figueiredo – na certificação da documentação diversa que acompanha o pedido de publicação do registo de constituição do Sindicato 265”, o que, na sua opinião, “confirma o envolvimento, ao mais alto nível, de responsáveis da YILPORT neste processo sociopata de criação e aproveitamento de vítimas fragilizadas, disponíveis para assinar qualquer papel que lhes coloquem à frente, seja um contrato de trabalho sem termo, sejam os estatutos de um sindicato”.

O nosso jornal contactou a Yilport Iberia, próxima das associações patronais que negoceiam com o SEAL, mas não obtivemos qualquer comentário a estas declarações.

 



Um comentário em “SEAL estabelece 30 dias para concluir negociações laborais sobre porto de Setúbal”

  1. Estivador diz:

    Conflitos laborais existem em qualquer parte do mundo, o que se vê nos terminais Portugueses é um enorne desrespeito pelos trabalhadores face á sua filiacão sindical. O Ministerio do Mar nao tem defendido os interesses de Portugal no que respeita aos portos nacionais. Se existe uma preocupacao com os impatos na economia em que o estado é o unico regulador, que exija e faça cumprir os interesses nacionais. Os estivadores cumprem o seu dever

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill