Investigadores concluíram que o problema pode ser mitigado reduzindo 10 nós a velocidade dos motores dos navios.
Rosatom
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O ruido subaquático dos navios, que se tem vindo a descobrir ser perigoso para os animais marinhos, foi recentemente colocado como problema no Árctico e nas águas do Canadá, segundo o Maritime Executive.

Segundo refere a publicação, investigadores concluíram que uma das formas de mitigar o impacto do ruído seria desacelerando os motores e andando a uma velocidade mais lenta, reduzindo de 25 para 15 nós. A conclusão resultou de uma pesquisa que envolveu a modelagem avançada de propagação de ruído de navios e os efeitos de dissimulação acústica no bacalhau do Ártico, dois tipos de baleias (belugas e cabeças de arco) e dois tipos de focas (barbudo e anelado).

O que acontece é que “o ruído proveniente do tráfego marítimo pode levar a uma dissimulação acústica, reduzindo a capacidade do bacalhau e de outros animais marinhos de detectar e usar o som para comunicação, pilhagem, fuga a predadores, reprodução e navegação”, explicou Matt Pine, pesquisador da Universidade de Victoria e da Wildlife Conservation Society Canadá (WCS Canadá), que esteve envolvido na investigação.

“O nosso estudo de modelos mostra que a redução nos efeitos de dissimulação acústica pode ser substancial”, referiu Matt Pine. No entanto, alertou, os resultados não são tão claros, “os efeitos da dissimulação acústica são bastante dinâmicos e a desaceleração de um navio não é necessariamente igual nos benefícios para todos os animais”. Por exemplo, às vezes, menores efeitos de dissimulação foram notados em distintas condições climáticas.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. IV Grande Conferência JEM

    Janeiro 22 - Janeiro 23
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill