Rolls-Royce e Finferries testaram o ferry de carros, Falco, no arquipélago de Turku, na Finlândia.
Rolls-Royce
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Rolls-Royce e a Finferries fizeram uma demonstração do primeiro ferry autónomo do mundo, no arquipélago de Turku, na Finlândia, segundo vários meios de comunicação social.

A primeira viagem do ferry de carros Falco, entre Parainen and Nauvo, realizou-se com uma combinação de tecnologias inteligentes da Rolls-Royce, mas a viagem de regresso já foi totalmente realizada com controlo remoto. Com 80 convidados VIP a bordo, o navio foi capaz de demonstrar inclusivamente atracagem automática.

O Falco, de 53,8 metros, equipado com uma gama de sensores que lhe permitem construir uma imagem detalhada do navio em tempo real e com um nível de precisão superior ao do olho humano, tem sempre, no entanto, uma pessoa em terra a monitorizar as operações e que pode assumir o controlo da embarcação, se necessário.

Realizados vários testes de operação autónomos no arquipélago de Turku, a Rolls-Royce (tendo perto de 400 horas de testes de mar), tem agora um sistema que se encontra entre as tecnologias testadas com sucesso.

Recorde-se que no início deste ano a Rolls-Royce e a Finferries começaram a colaborar num projecto de pesquisa, o SVAN (Navios mais Seguros com Navegação Autónoma), para continuar a implementar soluções neste sentido, através das Advanced Autonomous Waterborne Applications (AAWA), financiadas pelo Business Finland.

Note-se que também a Wartsila anunciou recentemente um teste de atracagem autónomo a bordo do seu ferry híbrido, Folgefonn, com o seu respectivo sistema autónomo. E apesar de levar um marinheiro a bordo, a única coisa que este fez foi pressionar o botão para dar início à manobra.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Seminário WavEC 2018

    4 Dezembro, 2018 - 5 Janeiro, 2019
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill