Porque «o homem não é uma inutilidade num mundo feito mas o obreiro de um mundo a fazer»... (Leonardo Coimbra)
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Nossa Responsabilidade

Citamos, uma vez mais Fialho de Almeida _ e nunca será demais _ que recorda ter encontrado, ao passar em Santarém, um pedreiro assentar alguns tijolos e interrogando-o sobre o que estava a fazer, logo recebeu a célebre resposta: «estou a construir uma Catedral».

Saber ver o ainda invisível, saber ouvir o ainda inaudível, saber conceber o ainda não concebido, eis a grande Arte, a grande Sabedoria _ como saber ver o Futuro ainda no Presente.

Humildes os nossos «tijolos», modestos os nossos gestos?

Muitos possivelmente, mas muito _ quase tudo _ depende da Responsabilidade que soubermos assumir ou da cobardia de não o fazermos.

Como o futuro de Portugal depende de nós, de o soubermos pensar, do que soubermos ou não conceber para o seu Futuro.

Junte-se a nós no apoio ao Jornal da Economia do Mar:

( Apoio anual sugerido: 50,00 € _ mas, evidentemente, total liberdade de cada um proceder com a liberalidade que cada um bem entender)

Transferência Bancária:

Envio de dados para efeitos de emissão de Recibo: geral@jornaldaeconomiadomar.com

IBAN: PT50 0010 0000 5097 6800 0012 0



Um comentário em “Responsabilidade Nossa”

  1. Pedro diz:

    Um testemunho que me pareceu interessante vindo de outro lugar e depois de Almeida: A caminho de Chartres, Péguy vê à beira da estrada um homem a partir pedras com um grande malho. Tem a infelicidade estampada no rosto e a raiva nos gestos. Péguy pára e pergunta: «…que está a fazer, senhor?» Não está a ver??? – responde o homem- que só consegui este trabalho estúpido e doloroso?» Um pouco mais longe, Péguy vê outro homem também a partir pedras, mas o seu rosto é calmo e os gestos são harmoniosos. «O que está a fazer, senhor?» – pergunta-lhe Péguy. «Ora bem, ganho a vida graças a este trabalho cansativo mas tem a vantagem de ser ao ar livre», responde-lhe. Mais longe ainda, um terceiro pedreiro irradia alegria. Sorri ao bater com o malho e observa com prazer os bocados de pedra. «O que está a fazer?» pergunta- lhe Péguy. «Eu – responde o homem – estou a construir uma catedral!» Boris Cyrlunik (2007)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill