Armadores gregos detêm mais de 4 mil navios
Grécia
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A frota de marinha mercante registada sob pavilhão grego perdeu 62 navios, equivalentes a 3,2 milhões de toneladas de peso morto e 2,3 milhões de toneladas de porte bruto, entre 1 de Março de 2016 e 1 de Março deste ano, refere o World Maritime News.

Actualmente, a frota sob registo grego dispõe de 747 navios, totalizando 75,2 milhões de toneladas de peso morto e 43,7 milhões de toneladas de porte bruto, conforme dados do Greek Shipping Cooperate Committee (GSCC) citados pelo jornal.

Segundo a consultora IHS Markit, também citada pelo jornal, existem 4.085 navios de várias categorias (incluindo 196 sob encomenda), detidos por armadores gregos, menos 7 do que no ano anterior, mas equivalentes a mais 8,1 milhões de toneladas de peso morto e 3,5 milhões de toneladas de porte bruto.

E os mais de 4 mil navios detidos por armadores gregos incluem 41 pavilhões diferentes de registo, com 791 navios sob registo das Ilhas Marshall (que ganhou 74 no último ano), 775 com registo da Libéria (ganhou 31 no último ano), 747 sob registo grego, 671 com registo de Malta (ganhou 4 navios), 377 com registo panamiano, 271 com registo de Chipre (ganhou 13 navios) e 248 registados nas Bahamas.

O jornal refere também que as companhias gregas detêm 25,2% da frota mundial de navios-tanque e 16,2% da frota para granéis e minérios.



Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

Não existem eventos agendados de momento.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill