Se as boas tradições devem ser mantidas, as Homenagens de Reconhecimento a quem se distingue na Economia do Mar não podiam faltar na III Grande Conferência do Jornal da Economia do Mar.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Como sempre, muito mais projectos haveria, com certeza, a distinguir na III Grande Conferência do Jornal da Economia do Mar, do que aqueles que aqueles que irão acabar por ser distinguidos.

Impusemo-nos, porém, de início, um limite de cinco Reconhecimentos e nesse limite nos devemos manter de forma a podermos continuar também a associar o número dos Reconhecimentos às Quinas de Portugal.

Tudo podia ser diferente?

Podia, mas é assim.

Talvez um dia tenhamos de associar os Reconhecimentos ao conjunto das Quinas com as Chagas de Cristo, alteração que não deixará de ser também significativa, mas, até lá, às Quinas nos circunscrevemos.

Como sempre também, não podendo prestar as nossas Homenagens de Reconhecimento com menor singularidade do que a singularidade que estamos a reconhecer, pedimos ao pintor Frank Campbell que se associasse a esta iniciativa, tendo acedido e pintado as cinco magníficas marinhas que damos agora a conhecer, não sem um igualmente muito alto e reconhecido agradecimento por tão natural generosidade quanto ainda mais elevada arte e tão extraordinário quanto singular talento.

Os nomes dos projectos Reconhecidos irão ser revelados na próxima Quarta-Feira mas, entretanto, examos já aqui as referidas pinturas para fruição estética de todos e algum compreensível suspense:

Reconhecimento – Visão Estratégica

Reconhecimento – Realização Estratégica

Reconhecimento – Persistência Estratégica

Reconhecimento – Imaginação Estratégica

Reconhecimento de Personalidade em Forma de Repto Estratégico



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill