O Programa Doutoral Internacional em Ciência, Tecnologia e Gestão do Mar (Do*Mar), resultante de um consórcio luso-espanhol, conheceu este mês as primeiras provas em Portugal, apresentadas por Nuno Cordeiro, sob o tema da simulação dos mecanismos físicos de circulação costeira no noroeste da Península Ibérica
Do*Mar
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

No dia 14 de Fevereiro, foram prestadas as primeiras provas de doutoramento em Portugal no âmbito do Programa Doutoral Internacional em Ciência, Tecnologia e Gestão do Mar (Do*Mar), sob o tema da simulação dos mecanismos físicos de circulação costeira no noroeste da Península Ibérica, informou a Universidade de Aveiro (UA).

 

O doutorando foi Nuno Cordeiro, que esteve sob orientação de Jesus Dubert (Departamento de Física da Universidade de Aveiro), Eric Desmond Barton (Instituto de Investigaciones Mariñas, Vigo) e Rita Nolasco (Departamento de Física da Universidade de Aveiro).

 

“Na tese intitulada «Numerical and observational processes study of NW Iberian margin circulation» foram estudados, por um lado, os filamentos associados ao afloramento (águas mais frias e ricas em nutrientes em ascensão na região costeira), e a sua distribuição estatística, identificando-se as regiões e os períodos do ano com maior prevalência de filamentos, que contribuem para o transporte de larvas entre a costa e o largo”, refere a UA.

 

Diz também a UA que “os filamentos formam-se quando as águas afloradas junto à costa são transportadas para o largo, à superfície, em regiões espacialmente limitadas” e que “por outro lado, um estudo local do afloramento a norte de Portugal e na Galiza mostrou a presença de um sistema de correntes e contracorrentes costeiras, e de um centro de afloramento, que responderam às mudanças dos ventos paralelos à costa, em escalas de tempo correspondentes a dias”.

 

Segundo Nuno Cordeiro, citado pela UA, “o conjunto de dados observacionais que deu lugar a este trabalho, no âmbito do projeto CAIBEX do Instituto de Investigaciones Mariñas, em Vigo, foi de uma grande riqueza, pois permitiu estudar o ciclo sazonal para o período de Novembro 2008 a Dezembro 2009”, tendo sido ainda “desenvolvida uma configuração numérica de um modelo oceanográfico para simular a circulação oceânica durante este período”. “A confiança nos resultados da configuração desenvolvida proveio da concordância com os dados medidos no oceano, ao longo das 14 campanhas oceanográficas”, acrescentou o investigador.

 

O Do*Mar conta com mais de 250 alunos inscritos (46 em Universidades portuguesas) de mais de 20 nacionalidades e envolve um consórcio formado pelas Universidades de Aveiro, Porto, Minho, Trás-os-Montes e Alto Douro, Vigo, Coruña e Santiago de Compostela, Instituto Español de Oceanografia e Consejo Superior de Investigaciones Cientificas. No consórcio “participam ainda, como membros associados, a School of Biology of the University of St. Andrews (Escócia), a Station Biologique de Roscoff (França) e o Instituto Oceanográfico da Universidade de S. Paulo (Brasil)”, refere a UA.

 

Este programa doutoral teve início em 2012-2013, em Espanha, e em 2013-2014, em Portugal. É apoiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), que financia 24 bolsas de doutoramento mistas por ela concedidas, das quais 21 já foram atribuídas, estando em negociação a extensão do financiamento com mais seis bolsas mistas. “As bolsas FCT ainda por atribuir no âmbito deste ciclo de financiamento deverão ter início durante o ano lectivo de 2019-2020”, refere a UA. “Em Espanha, o Do*Mar beneficia de um programa de apoio atribuído pela Xunta de Galicia que inclui cerca de 30 bolsas de doutoramento em cada ano”, refere também a UA.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill