Depois de anos em perda, as tarifas terão atingido valores recorde devido a fornecimentos de novas centrais e tendência para contratos de longa duração, entre outros factores
GNL
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O custo do transporte marítimo de gás natural liquefeito (GNL) atingiu valores recorde de 200 dólares por dia, ultrapassando o pico de 180 dólares diários de 2012, refere o Safety4Sea, acrescentando que esse valor tende a aumentar durante o Inverno e o Verão no hemisfério norte, onde o gás é usado para aquecimento ou refrigeração durante esses períodos.

A mesma publicação cita a empresa financeira Jefferies, segundo a qual a média diária é de 170 dólares na Ásia/Pacífico, mais 20% do que há duas semanas, e que na Bacia do Atlântico é de 140 dólares por dia. Cita igualmente a International Gas Union (IGU), segundo a qual, nessas duas zonas, o valor diário era de 80 e 85 dólares por dia no final do ano anterior, em pleno pico do Inverno.

A publicação refere também que essas tarifas, que registam uma recuperação depois de três anos em baixa, apresentam agora essa evolução devido ao fornecimento de novas centrais, distâncias mais longas, expectativas de preços mais elevados (que fazem os carregadores assinarem contratos de longa duração) e aumento nos ganhos de empresas de transporte marítimo de GNL (como a Gaslog, a Golar e a Hoegh).

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Da Cartografia na Antiguidade até à Cartografia Portuguesa

    Novembro 16 @ 15:00 - 17:30
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill