Luís Freitas, representante português na Comissão Baleeira Internacional, em entrevista recente sobre a saída do Japão desta comissão, defendeu a manutenção do diálogo com Tóquio sobre a pesca comercial da baleia
Baleias-de-bico
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Portugal mantém uma posição “coordenada no seio da União Europeia, que tem sido contra a caça à baleia”, referiu Luís Freitas, biólogo e representante de Portugal na Comissão Baleeira Internacional (CBI), em entrevista recente ao jornal Público a propósito da decisão do Japão de abandonar aquela comissão (na qual permanecerá como observador) e da qual aqui demos conta.

Para Luís Freitas, “há que manter um diálogo com o Japão”, acrescentando que a posição portuguesa é justificada pelo facto de “termos tido capacidade de passar da caça à baleia nos Açores e na Madeira para uma utilização sustentável e não letal dos cetáceos através da observação de baleias e golfinhos com impacto nas comunidades locais”, conforme referiu ao Público.

De acordo com este responsável, as consequências da decisão para o Japão dependerão da reacção da comunidade internacional em vários planos: diplomático, das relações bilaterais e da opinião pública. A reacção doméstica também não será negligenciável. Além de ser uma incógnita a reacção da opinião pública japonesa, desconhece-se o impacto económico que a decisão possa ter.

“Como tem sido uma actividade altamente subsidiada pelo Governo japonês e não se podem exportar produtos de baleia, não há certeza de que o mercado japonês seja suficiente para o consumo de carne de baleia”, referiu Luís Freitas a propósito da eventual insustentabilidade económica da pesca comercial da baleia pelo Japão.

Mas o mesmo responsável um efeito positivo. “Ao abandonar a Comissão Baleeira Internacional, o Japão afirmou que só ia caçar baleias (comercialmente) nas suas águas territoriais e na zona económica exclusiva e que ia deixar de caçar para fins científicos”, o que implica a suspensão da pesca da baleia para fins científicos na Antárctica, sublinhou Luís Freitas.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill