O Governo admitiu receber alguns dos migrantes a bordo do navio humanitário, que permanece em Itália, com 47 migrantes a bordo
Alan Kurdi
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Portugal manifestou disponibilidade para acolher até 10 migrantes resgatados pelo navio Sea Watch III, que se encontra em Itália com 47 migrantes a bordo, admitiu ontem o Ministério da Administração Interna (MAI) em nota à imprensa. “Não obstante esta disponibilidade solidária sempre manifestada, o Governo português continua a defender uma solução europeia integrada, estável e permanente para responder ao desafio migratório”, referiu o MAI.

Também ontem, chegaram a Portugal “8 pessoas (2 adultos e 6 menores, do Sudão do Sul e da Síria), que se juntam às 56 acolhidas nos últimos dois meses”, referiu o MAI, acrescentando que “foram acolhidos pela Cruz Vermelha Portuguesa de Coimbra e pelo Conselho Português para os Refugiados”

De acordo com o MAI, estes migrantes “fazem parte de um grupo de pessoas refugiadas, candidatas à reinstalação em Portugal, que se encontrava no Egipto sob protecção do ACNUR e que integraram a missão de selecção realizada por uma equipa conjunta do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e do Alto Comissariado para as Migrações (ACM) naquele país”. O MAI referiu ainda que “nos próximos meses chegarão novos grupos de pessoas que integraram esta primeira missão de selecção”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill