O porto terá guindastes móveis e camiões alimentados por baterias de hidrogénio para iniciar a estratégia de reduzir o impacto ambiental das operações, num plano que custará 4 milhões de euros.
Porto de Valência
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Como estratégia para reduzir o impacto ambiental, o porto de Valência começará a usar energia de hidrogénio durante as operações no terminal de contentores. Com um projecto-piloto, denominado H2Ports, que compromete 4 milhões de euros, financiados através do programa Fuel Cell and Hydrogen Joint Undertaking (FCHJU), este será o primeiro porto da Europa a utilizar este tipo de energia para este efeito, avançou a própria Autoridade Portuária de Valência, em comunicado.

 

Para tal, o porto terá guindastes móveis e camiões alimentados por baterias de hidrogénio e começará por testar a viabilidade e auto-suficiência do projecto. Pelo que será igualmente necessária uma estação móvel de abastecimento de hidrogénio, que também existirá.

 

A iniciativa conta com a participação da Autoridade Portuária de Valência, da Fundação Valenciaport, do Centro Nacional de Hidrogénio, da MSC Terminal de Valência, do grupo Grimaldi, do Hyster-Yale, do Atena, do Ballard Power Systems Europa e da ENAGAS. Sendo uma colaboração público-privada, recebe apoio europeu através de programas de Investigação e Inovação Horizonte 2020 da União Europeia, o Hydrogen Europe Research e o Hydrogen Europe.

 

“Com a implementação das acções previstas no projecto H2Ports, a Autoridade Portuária e a comunidade portuária continuam a trilhar o caminho rumo à utilização de combustíveis menos poluentes nos portos e, assim, contribuir para a descarbonização das actividades relacionadas com o transporte de mercadorias”, pode ler-se no comunicado.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. IV Grande Conferência JEM

    Janeiro 22 - Janeiro 23
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill