A APDL acaba de lançar um Concurso Público Internacional para a reconstrução do guindaste Titan do Molhe Sul, estrutura histórica construída em 1888 para suportar a construção do Porto de Leixões
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Publicado Sexta-feira passada no Diário da República, o base do concurso é de 1 milhão e 850 mil euros, encontrando-se prevista que a adjudicação da obra em Outubro, com um prazo de execução de um ano.

O Titan, o guindaste que irá agora ser recuperado, foi um enorme guindaste movido a vapor que se deslocava sobre carris, construído e montado em 1888 com o objectivo de suportar a construção Porto de Leixões _ obra iniciada em Julho de 1884 e que exigia, de acordo com o projecto inicial, a construção de dois grandes molhes, um a norte, com a extensão de 1.579 metros, e outro a sul, com a extensão de 1.147 metros.

Para o assentamento dos referidos molhes aproveitaram-se, em grande medida, os rochedos então existentes e que já conferiam um bom porto de abrigo natural _ afinal, os chamados «leixões» que viriam a dar o nome à nova infra-estrutura portuária _ sendo o trabalho mais importante efectuado pelos Titan (o Titan do Molhe Norte, visível ainda hoje de Leça da Palmeira, e o Titan do Molhe Sul, que se via de Matosinhos mas que, por razões de segurança, foi desactivado em 2013) foi  foi permitirem a colocação exacta das toneladas de pedras necessárias para a construção dos mesmos molhes e o seu avanço, metro a metro, pelo mar dentro.

O guindaste recuperado será instalado no acesso ao Terminal de Cruzeiros de Matosinhos e, seguindo a lógica de abertura à cidade, já habitual, poderá vir a ser livremente visitado por toda a população. 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill