Dados da Clarksons Research indicam uma tendência para queda nas encomendas de porta-contentores
Porta-contentores
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

As encomendas de porta-contentores não atingiram o equivalente a uma capacidade para 40 mil TEU no primeiro semestre de 2017 e caíram 30% nos mesmos termos face aos últimos 18 meses, refere o World Maritime News, citando dados da consultora Clarksons Research.

Segundo o jornal, com base em números da Clarksons Research, entre o início de 2016 e o princípio de Julho de 2017, as encomendas passaram de 515 unidades, equivalentes a uma capacidade para 3,97 TEU, para 396 navios, equivalentes a 2,78 milhões de TEU, correspondente à mais baixa percentagem de sempre da capacidade total da frota (14%).

Nesse sentido, existe uma perspectiva de crescimento moderado para a frota de porta-contentores nos próximos anos, significativamente abaixo dos 8,1% de 2015. Em 2017 essa perspectiva é de 3% ao ano e em 2018 será de 3,7%.

Relativamente aos prazos, o jornal refere que relativamente aos prazos, a maioria dos porta-contentores sob encomenda serão entregues em 2017 ou 2018, antecipando um crescimento fraco após esse período nas encomendas. Desde este mês de Julho que só existem 22 porta-contentores com capacidade igual ou superior a 12 mil TEU (de um total de 108 sob encomenda) para entregar a partir de 2019.

Quanto às dimensões, o jornal refere que os navios com capacidade para 15 mil ou mais TEU representam 40% das encomendas e 73% da capacidade total da frota com capacidade para 15 mil ou mais TEU.

Já os navios com capacidade inferior a 3 mil TEU totalizam 213, equivalente a 390 mil TEU e a 10% da capacidade da frota destas dimensões. Existe uma perspectiva de diminuição das entregas e, consequentemente, desta frota a curto prazo.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Oceans Meeting

    Setembro 7 - Setembro 8
  2. Colóquio: Sines, o Porto e o Mar – História e Património

    Setembro 7 - Setembro 9
  3. X Congresso da APLOP

    Setembro 11 - Setembro 12
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill