Investigadores concluíram que existe um aumento de plásticos no oceano, particularmente no Mar do Norte, através de um tipo de estudo diferente: usando registos de enredamento de equipamento de pesquisa de plâncton.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Um novo estudo sobre os plásticos, com recurso a um método de estudo baseado em registos de enredamento de equipamento de pesquisa de plâncton e publicado na revista Nature Communications, apresenta 60 anos de dados recolhidos em mais de 6,5 milhões de milhas náuticas do Atlântico Norte, demonstrando um aumento significativo de plásticos de grande dimensão, como bolsas, cordas e redes, entre 1957 e 2016.

As conclusões são de investigadores da Universidade de Plymouth, no Reino Unido, e da Associação de Biologia Marinha, baseadas em registos de amostras marinhas de rebocadores através do programa Levantamento Contínuo de Registos de Plâncton, que funciona através de pequenas embarcações ou mesmo de porta-contentores, pesquisando a sete metros de profundidades, e a 10/20 nós.

Em particular, o aumento de plásticos tem sido sentido na região do Mar do Norte, com especial incidência nas rotas mais concorridas.

“O uso de navios-de-oportunidade é uma forma eficiente (tanto em custo como em tempo) de cobrir vastas áreas e deve ser ainda mais utilizado para desenvolver estratégias padronizadas e consistentes para monitorizar detritos plásticos nos oceanos”, referiu o professor Richard Thompson, que chefia a Unidade Internacional de Pesquisa de Lixo Marinho da Universidade de Plymouth. “Talvez esta quantidade de lixo marinho não constitua surpresa, no entanto, estas evidências são essenciais para ajudar a informar a uma escala global e obter intervenção política”, conclui.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill