A população de aves marinhas decaiu 70% desde 1950 devido às alterações climáticas e à poluição, mas, sobretudo, devido à pesca industrial, que captura demais, não deixando alimentação para aves marinhas.
Estações Náuticas de Portugal
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Aves marinhas competem com barcos de pesca industrial, revela um estudo de investigadores franceses, canadianos e escoceses, segundo o qual a população de aves marinhas, entre 1950 e 2010 sofreu um declínio de 70%, tendo-se tornado o grupo mais ameaçado.

E o factor, entre outros, que mais tem contribuído para tal resultado é a falta de recursos no mar com que estes animais se têm deparado devido à pesca industrial. Segundo o relatório, publicado na Current Biology, o consumo médio anual de alimentos por parte das aves marinhas decaiu quase 20% – de 70 para 57 milhões de toneladas – entre 1970 e 2010. E a captura média anual das presas destas aves pela indústria pesqueira aumentou 59 milhões de toneladas, nos anos 70 e 80 do século passado, para 65 milhões de toneladas, nos últimos anos.

No entanto, as capturas acessórias, a redução de habitats, as alterações climáticas ou a poluição, especialmente de plásticos, são também “culpados” deste problema.

O estudo, que se baseou em dados que representam 60% da população mundial de aves marinhas, detectou este problema especialmente no Oceano Antártico, no litoral asiático, no Mar Mediterrâneo, no Mar da Noruega e na costa da Califórnia. As espécies mais atingidas foram os petréis-mergulhadores, as fragatas e andorinhas-do-mar.

“A exploração desenfreada de pequenos peixes pelágicos, como as sardinhas, anchovas ou sardinelas nas águas ao largo da costa da África Ocidental, pelos navios de pesca industrial para a produção de farinhas destinadas a engordar salmões de viveiro ou galinhas é desastrosa para o ambiente e para as aves marinhas”, defendeu David Grémillet, investigador do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS). “E esses recursos deveriam ser utilizados para alimentar as pessoas da região; é uma aberração que sejam usados para fazer farinhas de peixe”, concluiu.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill