Estes são os números que o World Shipping Council revelou para demonstrar quão prejudiciais são estes incidentes para o ambiente marinho
Contentores
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O World Shipping Council (WSC) conclui, numa pesquisa recente, que se perdem todos os anos no mar 568 contentores, excluindo os casos de eventos catastróficos, nos quais o número sobe para 1.582 contentores (na última década, 64% dos contentores perdidos foram-nos devido a este tipo de ocorrências). E todos estes contentores têm um impacto negativo no ambiente marinho e nas espécies que nele habitam, refere o Safety4Sea.

A publicação recorda ainda que recentemente, caíram para fora de bordo 70 contentores de carga do navio Maersk Shanghai, a cerca de 27 quilómetros de Oregon, na Carolina do Norte.

Segundo o estudo, as principais causas de tais ocorrências são a natureza das embalagens, os recipientes com excesso de peso, a arrumação irregular e o planeamento inadequado tanto da viagem como da carga, muitas vezes mal estivada.

No entanto, de forma a reduzir estes incidentes, estão a ser tomadas iniciativas, nomeadamente no âmbito da Convenção SOLAS sobre a salvaguarda da vida humana no mar, que exige a verificação do peso do contentor para carregar nos navios, e do WSC, que emitiu igualmente orientações neste sentido. Além disso, fazer melhores previsões meteorológicas também poderá contribuir para minimizar este tipo de risco.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill