Com o objectivo de evitar os 10 tipos de plástico que mais poluem as praias, o acordo prevê que, a partir de 2021, alguns plásticos como palhinhas, cotonetes e talheres de plástico sejam proibidos.
Alliance to End Plastic Waste
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Parlamento Europeu e o Conselho Europeu chegaram a acordo sobre medidas propostas pela Comissão Europeia para reduzir o lixo marinho. Este acordo, que tem como objectivo principal alcançar 10 produtos de plástico mais frequentemente encontrados nas praias, apesar de conseguido, necessita ainda de ser formalmente ratificado pelos Estados-membros e pelo Parlamento Europeu (PE), o que se prevê concluído até à Primavera de 2019.

Deste modo, há categorias de plástico (que representam 70% dos detritos do oceano) que desaparecerão, enquanto outros, de utilização única (nomeadamente caixas de hambúrgueres, saladas, ou recipientes de legumes), deverão ser reduzidos em 25% até 2025.

Note-se que esta proposta é semelhante à directiva de 2015 relativa aos sacos de plástico, que foi bem-sucedida. Pelo que a nova medida deverá trazer não só benefícios ambientais, como económicos, que custariam o equivalente a 22 milhões de euros até 2030, ou através da prevenção das emissões de gases de efeito de estufa que teria um custo equivalente a 3,4 milhões de toneladas, o que se prevê que poupe aos consumidores 6,5 mil milhões de euros.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. IV Grande Conferência JEM

    Janeiro 22 - Janeiro 23
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill