Foi apresentado, no Cinema São Jorge, o documentário que revelou a épica odisseia, de kitesurf, dos Açores ao continente.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Com o grande objectivo de ligar o território português por mar, Francisco Lufinha tem “voado” de Kitesurf entre as ilhas e o continente. A última das suas aventuras foi objecto de um documentário – “Kitesurf Odyssey 2017, Açores/Continente”, – cuja antestreia, na Segunda-feira, encheu a sala do Cinema São Jorge de aplausos.

“Já imaginaram a vida sem água?” foi uma das perguntas que surgiu no documentário em que se pode assistir à travessia dos Açores a Portugal, de kitesurf, por Lufinha, Anke Brandt e a equipa, nunca esquecendo quão importante é o oceano e quanto o devemos preservar, principalmente dos plásticos, um problema tão corrente hoje em dia.

A “longa e épica odisseia” que iniciou com o tiro da Marinha não começou da melhor maneiras – com 7,5 nós –, um vento impossível até para levantar o kite, o que os obrigou simplesmente a dormir ao relento, no meio do mar, enquanto a corrente os levava. Mas no meio de tantas peripécias e de alguns questionáveis e legítimos pensamentos, como o da incerteza de conseguir chegar ao destino, e muito por causa do hydrofoil, a odisseia teve um final justo. E por isso, 10 dias depois, a Marina de Oeiras acolheu os dois kitesurfistas e nove meses depois isso está documentado.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill