O Golfo da Guiné domina hoje, naturalmente, as atenções e as preocupações em termos de segurança marítima, mas o Atlântico é vasto, os interesses múltiplos, variados e num momento de reenquadramento estratégico do mundo, nem sempre muito certo é quais exactamente sejam nem certo é saber o que esperar.


Um comentário em “O cruzamento dos diferentes interesses estratégicos no Atlântico”

  1. António Alexandre diz:

    Programa muito interessante. Parabéns!
    Creio que a descoberta de gás de xisto nos EUA há alguns anos teve implicações claras na geopolítica da energia. Os EUA tornaram-me não apenas autossuficientes como são, de igual modo, grandes exportadores de hidrocarbonetos, o que poderá ter arrefecido, pelo menos no imediato, o seu interesse no GoG. Numa conjuntura geopolítica marcada pela afirmação da China e pelo regresso da Rússia, creio que haverá outras regiões que terão certamente precedência em termos de preocupação imediata para os EUA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill