Segundo notícia veiculada pelos meios de comunicação marroquino, piratas nigerianos terão assaltado o navio de carga geral, o Oya 1, no Golfo da Guiné, na noite do passado dia 29 de Julho, raptando dois oficiais marroquinos e três outros membros da tripulação.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Embora os pormenores sobre este novo incidente sejam escassos, o Centro de Informação sobre Pirataria da ICC IMB confirmou que a Marinha da Nigéria respondeu a um ataque a um navio de carga geral, ocorrido na noite do dia 29 de Julho passado a 15 mn a Sudoeste da Ilha Bonny.

Sabe-se também que a Marinha da Nigéria rebocou a embarcação e abriu uma investigação, mas pouco mais se sabe além da confirmação por parte da IMB de relatos do desaparecimento de alguns membros da tripulação.

Apesar dos esforços da Marinha Nigeriana em por cobro aos sucessivos ataques de pirataria no Golfo da Guiné, conseguindo mesmo reduzir em cerca de 90%, entre Janeiro e Junho do corrente ano, o número de casos de pirataria bem sucedidos em relação a igual período do ano anterior, o facto também é que, até à data, o número de sequestros verificados no corrente ano já se cifra em 31 marítimos, entre oficiais e respectivas tripulações.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. 1ª Feira e Congresso Trabalhar num Navio

    Outubro 19 @ 11:00 - 19:30
  2. MOST Iberia 2017

    Outubro 21 - Outubro 24
  3. Mineração em Mar Profundo – Uma escolha sustentável para Portugal?

    Outubro 27 @ 9:00 - 18:00
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill