Com o objectivo de explorar áreas de mar aberto, o biólogo marinho Mike Jech está a desenvolver um instrumento capaz de captar informação sobre os organismos marinhos em áreas profundas.
Fundo Azul
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

De forma a explorar áreas de mar aberto, no fim da plataforma continental (zona de crepúsculo), entre 200 a 1000 metros de profundidade, onde já nem a luz solar incide, Mike Jech, biólogo marinho do Northeast Fisheries Science Center (NEFSC), em colaboração com a Woods Hole Oceanographic Institution (WHOI), está a explorar um novo instrumento: o Deep-Sea.

O instrumento, capaz de enviar informação em tempo real com grande resolução, já foi testado a bordo do NOAA Ship Henry B. Bigelow, por 16 cientistas, que estão ainda a comprovar a sua robustez a grandes profundidades. Em concreto, trata-se de um cabo de fibra óptica de 0,681 polegadas, com três condutores de cobre e três fibras ópticas que fornecerão energia suficiente para comunicar com todos os sensores e instrumentos da plataforma.

Note-se que este é o primeiro navio da NOAA a ter este tipo de equipamento, o que lhe permitirá expandir a utilidade da sua monitorização, bem como a amplitude das suas pesquisas científicas.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Da Cartografia na Antiguidade até à Cartografia Portuguesa

    Novembro 16 @ 15:00 - 17:30
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill