Reunidos no Conselho Nórdico, ministros da Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia fizeram o primeiro apelo de sempre para um acordo dirigido a esta matéria
Universidade de Plymouth
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Na última semana, os ministros do ambiente da Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia, reunidos no âmbito do Conselho Nórdico, em Reiquejavique, na Islândia, formalizaram o primeiro apelo para a concretização de um Tratado internacional que promova a remoção do plástico dos oceanos à escala global.

Na declaração conjunta, que foi enviada à União Europeia, G7, G20 e Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) os ministros também apelam ao Conselho Nórdico para que prepare um estudo sobre que elementos devem ser incluídos num acordo global contra os microplásticos e os resíduos plásticos no ambiente marinho.

O estudo proposto será submetido a um grupo de peritos antes da próxima reunião do Conselho Nórdico, no final deste ano, e poderá reforçar a posição da UE na próxima Assembleia Geral das Nações Unidas para o Ambiente, em 2021.

Os mesmos responsáveis apelaram igualmente a uma acção relativa à biodiversidade, argumentando que os países nórdicos devem partilhar as suas experiências relativamente à harmonização de legislação, práticas administrativas e políticas em prol dos objectivos definidos para a biodiversidade e o ambiente.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill