Depois de ter sido, pela terceira vez consecutiva, campeão nacional de bodysurf, Miguel Rocha decide participar no campeonato na Califórnia, apesar de sofrer de esclerose múltipla.
Miguel Rocha
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Entre os dias 18 e 19 de Agosto, o atleta português de bodysurf, Miguel Rocha, irá participar numa prova mundial de bodysurf, em Oceanside, na Califórnia.

Miguel Rocha descobriu o bodysurf em 2010 e, deste então, mesmo apesar dos seus problemas de saúde (esclerose múltipla) nunca baixou os braços, acreditando que o “pensamento positivo é fundamental para quem tem sonhos”, confessa o próprio à Surftotal.

Entretanto, após alguns títulos nacionais foi obrigado a parar, em 2016, no entanto, apoiado pela família e pelo grupo de bodysurf, voltou a praticar a modalidade que lhe valeu, nesse ano, não só o título nacional de bodysurf, como chegou ao pódio na competição europeia, com o 3º lugar no campeonato europeu.

“Não vou com nenhuma pressão, é a primeira vez que vou competir numa prova mundial e sei que o nível é extremamente alto. Vou para me divertir e se conseguir trazer um bom resultado para casa, será a cereja no topo do bolo”, revela Miguel Rocha.

Note-se que no campeonato participarão entre 350 a 400 bodysurfers de todo o mundo, nas suas respectivas categorias: 12-14; 18-24; 35-44; 55-64. Sendo que, na categoria de Miguel Rocha, em 2017, sagrou-se campeão Dave Ford, e em segundo lugar ficou Scott Smith.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill