A subida do preço do petróleo e consequente interesse das energéticas na prospecção de petróleo e gás, está a induzir confiança no mercado dos navios sísmicos
Navios sísmicos
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Depois de um período pouco favorável de quatro anos, o sector dos navios sísmicos está a entrar novamente num período confiante e prevê-se que recupere ainda mais com o aumento da procura, por parte das empresas de energia, que estão a investir neste tipo de serviços, se o preço do petróleo continuar a aumentar.

Só no primeiro trimestre de 2018, o sector duplicou. No entanto, o futuro está dependente do preço do petróleo. Se este não continuar elevado, as empresas não sentirão necessidade de investir em perfuração e novas reservas.

Nos últimos seis meses, com o barril do petróleo a cerca de 51 euros, as empresas têm apoiado a procura e a vigilância por parte dos navios, sendo que a área total de vigilância dos navios duplicou para 40 mil quilómetros quadrados. Bem como a denominada “exploração 4D”, também conhecida por procura de dados geofísicos dos campos de petróleo e de gás, que levou os operadores a aumentar a produção destes navios.

Posto isto, a Petroleum Geo Services (PGS), a maior operadora sísmica do mundo, espera obter entre 20 a 25 trabalhos sísmicos 4D este ano, um aumento significativo face a em 2017, a maior parte no Mar do Norte, África Ocidental e Brasil.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill