Devido ao aumento do tráfego marítimo na região e ao degelo, fruto do aquecimento global, tanto o mar de Bering como o estreito de Bering são alvos de grande poluição
Mar de Bering
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O degelo marinho, o comércio e desenvolvimento de recursos no mar de Bering e no estreito de Bering, que sempre foram o centro cultural, ecológico e económico de várias comunidades como Yup’ik, Cup’ik, St. Lawrence Island Yupik, and Inupiaq, tem conduzido a um enorme aumento de tráfego marítimo na região, liderada essencialmente por navios de carga, rebocadores e navios de pesquisa que se prevê continuar a subir, danificando a essência natural do local.

 

Muito destes navios são fonte de investigação na zona, no entanto, provocam também problemas como a produção de lixo, sendo capazes de criar mais de 40 tipos de diferentes resíduos no oceano. Segundo a Pews Charitable Trust, o aumento de tráfego de navios de que tem sido alvo o local já chega aos 145%. Tráfego que também causa poluição marítima, entre outros tipos de lixo como resíduos de esgotos, águas de lastro ou óleo. Riscos que poderão constituir perigos para a saúde humana e marinha do local.

 

Para mitigar este tipo de problemas, os órgãos reguladores de poluição a nível internacional, nomeadamente nos Estados Unidos e em especial no Alasca, em parceria com comunidades indígenas, terão de considerar monitorização do lixo, particularmente dos plásticos, exigir o tratamento de águas de lastro, bem como proibir descargas de óleo dos navios. Mas é também de grande importância que os regulamentos já existentes tenham um melhor acompanhamento, segundo Eleanor Huffines, Directora da Pews Charitable Trust, uma ONG, no Árctico.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill