O navio chinês Tian Kun Hao, que será a maior draga de sucção da Ásia, superando o Tian Jing Hao, que operou nas polémicas Ilhas Spratly em 2013 e 2014, começou os ensaios na passada Sexta-feira
Tian Kun Hao
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A maior draga de sucção da Ásia, o navio chinês Tian Kun Hao (apelidado de «fabricante mágico de ilhas»), começou os ensaios na passada Sexta-feira, referiu o Maritime Executive. O navio foi encomendado pela Tianjin Dredging (da China Communication Construction Co, ou CCCC), construído pelos estaleiros da Shanghai Zhenhua Heavy Industry e deverá ser entregue em Junho de 2018.

Com 140 metros de comprimento e 17 mil toneladas, o navio foi concebido para dragar seis mil metros cúbicos por hora e escavar até 35 metros de profundidade debaixo de água. O seu equipamento de 6,600 kilowatts permite-lhe triturar rochas e bombear material dragado até uma distância de 15 quilómetros.

Segundo divulgado, o navio vai superar o Tian Jing Hao como a maior draga asiática, pode escavar 4.500 metros cúbicos de areia por hora e que terá operado durante 193 dias em 2013 e 2014 nos cinco recifes das Ilhas Spratly, no Mar do Sul da China. Talvez por isso, haja quem entenda que o navio é um projecto militar chinês, concebido essencialmente para criar ilhas artificiais no Mar do Sul da China, onde Pequim mantém disputas territoriais com vários países da região.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill