As empresas dinamarquesas A.P. Moller-Maersk and DONG Energy estão em negociações para uma possível fusão das respectivas operações petrolíferas que podem criar um negócio no valor global de 10 mil milhões de dólares.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Embora as negociações ainda se encontrem numa fase muito preliminar e os principais responsáveis de ambas as empresas não queiram pronunciar-se ainda, o que se sabe no entanto é que a Maersk, para além da tentativa de aquisição no passado da área petrolífera da DONG, sem ter sido possível chegar a um acordo no que respeita ao preço, anunciou em Setembro, como noticiado, a intenção se separar esta área do grupo de forma concentrar a sua actividade essencialmente nas áreas-chave do transporte marítimo e logística.

Por seu lado, a DONG também anunciou ainda este mês a intenção de alienação do respectivo sector petrolífero para se concentrar igualmente no negócio das energias renováveis marinhas em mar aberto, onde se afirma como a maior empresa europeia da área.

Segundo se sabe no mercado, nas negociações a Maersk esta a ser assessorada pelo Bank of America enquanto a DONG pelo J.P. Morgan Bank.

O baixo preço do petróleo neste momento é apontado como uma das principais causas para esta possível fusão, ao mesmo tempo que torna a venda das respectivas operações a terceiros menos interessantes senão mesmo completamente desinteressantes.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill