Bogas e ruivacos nascidos e criados no Aquário Vasco da Gama vão ser libertados em Grândola, Monchique e Mafra
Crescendo Azul
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Amanhã e nos dias 28 de Março e 4 de Abril serão libertados dois mil peixes de água doce, “reproduzidos e criados no Aquário Vasco da Gama”, refere a Marinha, entidade a que pertence o aquário.

Na ribeira de Grândola, serão libertadas 300 bogas portuguesas “nascidas no AVG em 2016, 2017 e 2018 e descendentes de exemplares capturados no mesmo rio”, refere a Marinha, acrescentando que se trata “de uma espécie considerada criticamente em perigo e apenas existe em Portugal onde vive nas bacias hidrográficas dos rios Tejo e Sado e nas pequenas ribeiras da região Oeste e da região entre o Sado e o Mira”.

Na ribeira de Odelouca, em Monchique, serão libertadas 1.400 bogas do sudoeste “nascidas no AVG em 2017 e 2018, descendentes de exemplares capturados no mesmo rio”, diz a Marinha. É igualmente uma espécie em risco e que só existe “em Portugal, onde vive nas bacias hidrográficas dos rios Mira e Arade”, esclarece a Marinha.

No rio Safarujo, em Mafra, serão libertados 300 ruivacos do oeste, “nascidos no AVG em 2016, 2017 e 2018 e descendentes de exemplares capturados no mesmo rio”, explica a Marinha, sublinhando que também é uma espécie “considerada criticamente em perigo e apenas existe em Portugal onde vive nos rios Safarujo, Alcabrichel e Sizandro”.

Em parceria com o MARE-ISPA, a Quercus e a Faculdade de Medicina Veterinária, o Aquário Vasco da Gama “participa no projecto Conservação ex situ de organismos fluviais, com o objectivo de reproduzir e manter espécies ameaçadas de água doce da fauna e flora portuguesas, para posterior libertação”, esclarece a Marinha.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill