As candidaturas estão abertas até 7 de Julho, após o que o Oceanário e a Fundação Oceano Azul elegerão os melhores projectos sobre invertebrados marinhos para um financiamento global de 150 mil euros
Crescendo Azul
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Até 7 de Julho estão abertas as candidaturas para a 3ª edição do Fundo para a Conservação dos Oceanos, promovido pelo Oceanário de Lisboa e a Fundação Oceano Azul, este ano com 150 mil euros destinados a apoiar projectos subordinados ao tema «Invertebrados marinhos. Proteger no mar, o futuro da Terra». Os promotores irão financiar de um a cinco projectos, a partir de 30 mil euros e sem limite máximo por cada um.

O processo de selecção será concluído em Novembro deste ano e os contemplados anunciados num evento em data a definir. Os projectos podem ser desenvolvidos em Portugal ou no estrangeiro, devem arrancar em Março de 2020, depois da atribuição do financiamento, e estar concluídos em Dezembro de 2022. Podem concorrer entidades públicas ou privadas, candidatos individuais ou colectivos e parceiros nacionais e estrangeiros.

Serão tidos em especial consideração vários critérios, como a existência de um site, a garantia de que a informação reunida e partilhada tem carácter científico e é relevante para as necessidades de conservação das espécies em causa, a representação de iniciativas sustentáveis e susceptíveis de serem continuadas depois do seu período de implementação, a sensibilização de populações locais para acções contra a redução da biodiversidade, a inclusão de fortes mensagens de conservação com eficácia não só junto da comunidade científica, mas também do público em geral, e a existência de resultados que incluam propostas de acção de conservação.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill