Num encontro do G7, os ministros do Ambiente de Itália e França concordaram em procurar declarar o Mediterrâneo uma zona com emissões controladas de enxofre e azoto provenientes do transporte marítimo
Hyundai Heavy Industries
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Num encontro de ministros do Ambiente dos países do G7, no início desta semana, em Metz, na França, os ministros italiano Sergio Costa e francês De Rugy decidiram trabalhar em conjunto para declarar o Mediterrâneo uma zona de emissões controladas de enxofre (sulphur emissons control area, ou SECA) e azoto (nitrogen oxide emissons control area, ou NECA) produzidas pelos navios, referiu o Safety4Sea.

A publicação recorda que a implementação de uma zona de emissões controladas (emissions control area, ou ECA) no Mediterrâneo poderia reduzir as emissões de enxofre e azoto dos navios me 80% e 20%, respectivamente, face às emissões produzidas no contexto da legislação actual.

Várias organizações de defesa do ambiente, incluindo a NABU (Alemanha), Cittadini per l’aria (Itália) e FNE (França) congratularam-se com a decisão, até porque desde há anos que muitas dessas entidades trabalham em prol de um Mediterrâneo livre de emissões dos navios. E Espanha manifestou-se recentemente, durante uma conferência em Madrid organizada por associações de defesa do ambiente, a favor de uma zona ECA no Mediterrâneo.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill