O Irão inaugurou oficialmente uma extensão de um porto, no Golfo de Omã, que concorre com um porto paquistanês. Na inauguração, porém, o presidente iraniano apelou ao fim das rivalidades regionais e a favor da unidade
Porto de Chabahar
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Irão inaugurou oficialmente a extensão do seu porto de Chabahar, no Golfo de Omã, refere o Maritime Executive. Segundo este meio de comunicação, as autoridades iranianas prevêem que este se tornará um ponto-chave no trajecto para o Afeganistão e a Ásia Central e permitirá maior exportação de mercadorias indianas para a Rússia.

Esta extensão do porto de Chabahar representou um investimento de 841 milhões de euros, dos quais 197,6 milhões vieram da Índia, aumentou a capacidade de tráfego de mercadoria do porto de 2,5 milhões de toneladas/ano para 8,5 milhões de toneladas/ano.

A Índia comprometeu-se ainda a investir 420 milhões de euros na construção de dois cais no porto e 1,3 mil milhões de euros numa ferrovia de 650 quilómetros entre Chabahar e Zahedan, também no Irão.

O mesmo jornal recorda que o porto de Chabahar é considerado rival do porto paquistanês de Gwadar, a 80 quilómetros de distância, e que está a ser desenvolvido com auxílio da China no âmbito do projecto chinês da Nova Rota da Seda. Na inauguração da nova infra-estrutura, o presidente iraniano considerou que as rivalidades regionais deveria dar lugar a mais compromissos e unidade na região.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill