Segundo um estudo da Drewry, 2016 irá ser ainda um ano de perdas para o sector do transporte marítimo de contentores. Com excesso de oferta o baixo preço do petróleo não opera milagres.
COSCOCS
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

De acordo com o mais recente estudo da Drewry, agora publicado, o primeiro semestre de 2016 irá ser ainda muito duro para o transporte marítimo de contentores, com os preços dos fretes em queda contínua a não poderem deixar de conduzir a profundas alterações no sector, seja através de mudança radical na gestão das rotas, seja através de uma nova e mais racional política de preços.

Os actuais preços, ainda de acordo com o estudo, não só não são sustentáveis como irão baixar ainda mais ao longo do ano sem que os armadores conseguindo diminuir custos ao mesmo ritmo, tanto mais quanto, na mesma perspectiva, todos os benefícios passíveis de serem alcançados pelo baixo preço do petróleo já terão sido alcançados.

Por outro lado, reconhecendo a esperança dos aramadores nas hipotéticas economias de escala dos novos navios de 14 000 e 18 000 TEU, para a Drewry, tal esperança é uma ilusão porquanto as economias de escala passíveis de serem realizadas serão, no seu entender, de facto, muito escassas.

Num tal enquadramento, tendo inclusive em conta as 66 viagens realizadas sem qualquer carga nas mais importantes rotas Este-oeste em Fevereiro, com 5% da capacidade total de transporte completamente parada em Março,  a Drewry sugere igualmente que é tempo de olhar para o lado das receitas e não apenas dos custos, sobretudo quando, mesmo para 2016, as previsões são ainda de crescimento da oferta na casa dos 2,1%.

Ou seja, o conselho é para que os armadores comecem a olhar para os seus modelos de formação dos preços dos fretes, atendendo devidamente á respectiva rendibilidade por TEU transportado e não em termos gerais de volume carregado.

Nesse sentido, com um mercado com excesso de oferta e mais 2,6 milhões de TEU previstos até ao final 2017, entende-se mesmo que, carregamentos a 85% da capacidade, não devem ser considerados um drama mas uma situação perfeitamente normal, perfeitamente razoável.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill