O navio é o primeiro do seu género classificado como Polar Class 6 em todo o mundo e está registado na Holanda
Hondius
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Foi lançado à água, nos estaleiros de Brodospit, na Croácia, o navio de cruzeiros polares Hondius, que é o primeiro de Classe Polar 6 a ser registado em todo o mundo. De acordo com esta classificação, trata-se de um navio habilitado para operações no Verão e Outono e para enfrentar o primeiro gelo do ano.

O navio está registado na Holanda e tem acomodações de luxo para 176 pessoas. Pode navegar no Árctico e no Antárctico, tem 107,6 metros de comprimento por 17,6 de largura e 5,30 de calado, e pode atingir os 15 nós. Tem uma tripulação de 72 pessoas e dois motores principais com uma potência de 4.200 Kw.

Ao serviço da Oceanwide Expeditions, o navio supera os mais modernos requisitos ambientais do Código Polar da Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla inglesa) e vai ao encontro dos requisitos da Lloyd’s Register paranavios de cruzeiros polares, segundo a empresa.

Segundo alguns meios de comunicação, o navio foi construído ao abrigo de um modelo de negócio que contempla a sua disponibilização a outros operadores de cruzeiros que não a Oceanwide Expeditions, com opção de aquisição por esta empresa a qualquer momento e uma obrigação de aquisição definitiva ao fim de 10 anos.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Seminário: Exploração de Hidrocarbonetos na Era da Transição Energética

    Junho 27 @ 14:30 - 18:30
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill