A Fundação Oceano Azul foi a anfitriã do primeiro encontro do grupo de trabalho sobre o Processo Global de Avaliação dos Oceanos das Nações Unidas desde a publicação do seu primeiro relatório, em 2016
Tubarão anequim
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Nos dias 14 e 15 de Setembro, a Fundação Oceano Azul (FOA) acolheu, em Lisboa, a primeira reunião do grupo de peritos do Processo Global de Avaliação dos Oceanos das Nações Unidas desde a publicação do seu primeiro relatório, em 2016. O encontro foi organizado pelo Secretariado das Nações Unidas, com o apoio do Governo Português e em parceria com a FOA.

Segundo a FOA, “o encontro trouxe ao Oceanário de Lisboa cerca de três dezenas de peritos nacionais e internacionais, entre os quais Alan Simcock e Renison Ruwa, com o objectivo de gerar conhecimento especializado sobre a Região Norte Atlântica, Mediterrânica, Báltica e Mar Negro”. Na ocasião, foi dado início aos trabalhos para “preparação do relatório de avaliação de 2017, que deverá estar concluído em 2020”, refere a FOA.

O relatório de 2016, “com base no trabalho desenvolvido por peritos de todo o mundo ao longo de vários anos, produz uma avaliação do estado do meio ambiente marinho, incluindo aspetos sócio-económicos, com o propósito de reforçar o conhecimento sobre os Oceanos e contribuir para que as decisões que tenham impacto sobre os Oceanos e seus recursos sejam baseadas em elementos científicos sólidos”, esclareceu a FOA. 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill