O Executivo britânico quer converter um aeroporto inactivo em parque de estacionamento para 6 mil camiões, para atenuar os efeitos de um Brexit sem acordo no tráfego rodoviário. E testou o tempo do trajecto de 32 Km desse aeroporto até ao porto de Dover com 89 camiões. Pouco mais de uma hora. Um êxito. Mas o ensaio foi considerado irrealista por vários camionistas participantes, que acham que se as alfândegas voltarem a processos antigos, não serão apenas 89 camiões na estrada
Porto de Riga
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Na Segunda-feira, coincidindo com o regresso do debate parlamentar sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, o Governo britânico testou uma solução para evitar graves congestionamentos de tráfego previstos para a alfândega do porto de Dover, por onde circulam diariamente cerca de 10 mil camiões, no caso de um Brexit sem acordo.

O ensaio envolveu 89 camiões que circularam em colunas entre o aeroporto inactivo de Manston, no norte de Kent, e o porto de Dover, num trajecto de 32 quilómetros, em dois momentos, um às 08H00 e outro às 11h00, e terá tido êxito, com o “percurso a ser percorrido em cerca de uma hora”, referiu o jornal PÚBLICO.

O objectivo da simulação era avaliar o fluxo de tráfego congestionado entre o porto, que o maior do país em tráfego de carga rodada (roll-on,roll-off, ou ro-ro) e o aeroporto, que o Governo britânico quer converter num parque de estacionamento para mil camiões. Para o efeito, os camionistas contratados receberam cerca de 612 euros, segundo o The Guardian.

De acordo com camionistas que participaram no ensaio, tratou-se uma perda de tempo e o motivo do alegado sucesso do teste foi o número irrelevante de veículos intervenientes, porque a realidade será diferente no caso de um Btexit sem acordo. Outros falam nos problemas que ocorrerão num aso de acidente ou emergência, com o congestionamento de quilómetros. A Associação de Transporte Rodoviário (Road Haulage Association, ou RHA) considerou o plano de contingência tardio e insuficiente.

“É impossível reproduzir, com 80 camiões, o efeito de ter um número potencial de seis mil camiões dentro e nos arredores de Kent e Manston; este planeamento deveria ter sido feito há meses e, preferencialmente, numa escala maior; duvido que muitos camionistas tenham ficado impressionados com este ensaio”, referiu Rod McKenzie, director-geral da RHA, citado pelo PÚBLICO.

Quem também criticou a iniciativa foi Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, na oposição, que classificou o ensaio de encenação do Governo para pressionar os deputados a escolher entre o acordo desejado por Theresa May ou uma saída sem acordo, no âmbito do que considerou o “Projecto do medo”, nota também o PÚBLICO.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. IV Grande Conferência JEM

    Janeiro 22 - Janeiro 23
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill