O maior fundo soberano do mundo vai determinar se o desmantelamento de navios na Índia cumpre os elevados padrões de exigência para manter o seu investimento
Hapag-Lloyd
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Conselho de Ética do fundo soberano norueguês, avaliado em 885 mil milhões de euros (um trilião de dólares), o maior do mundo, vai incidir a sua actuação este ano sobre as práticas de desmantelamento de navios na Índia, no âmbito da fiscalização que exerce nas actividades em que investe, refere o Safety4Sea.

A actuação do fundo, que assenta em receitas provenientes da exploração petrolífera e de gás do Mar do Norte, relaciona-se com o facto de as práticas em causa serem conhecidas por envolverem violações de direitos laborais, colocando me risco a segurança de trabalhadores, e ameaçarem o ambiente.

Face ao objectivo do fundo, que mantém investimentos em actividades susceptíveis de beneficiar as gerações actuais e futuras, é importante determinar que o seu capital não está a ser investido em projectos que desrespeitem os elevados padrões éticos pelos quais se gere. Tal desrespeito já levou a que, em 2018, o fundo se retirasse de quatro empresas envolvidas no desmantelamento de navios nas praias do Paquistão e do Bangladesh em condições consideradas inaceitáveis no plano laboral e ambiental.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill