Durante oito semanas 13 startups e projectos vão adquirir competências e partilhar contactos. Depois, durante três anos, as duas Fundações promotoras investirão, pelo menos, um milhão de euros no desenvolvimento dos projectos
Blue Bio Value
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Fundação Oceano Azul e a Fundação Calouste Gulbenkian assumiram o compromisso de investir, pelo menos, um milhão de euros nos três anos de implementação do programa internacional de aceleração de projectos e startups ligadas à bioeconomia azul, denominado «Blue Bio Value», ontem apresentado.

Desenvolvido por ambas as Fundações, em parceria com a Fábrica de Startups, a Bluebio Alliance e a Faber Ventures, o programa conta com o envolvimento de 13 starups e projectos de seis países (Portugal, Espanha, Holanda, India, Letónia e Noruega), seleccionados entre mais de 50 candidaturas.

Numa fase inicial, durante oito semanas, os 13 participantes irão validar tecnologia, adquirir competências de gestão, criando assim as bases para desenvolver “novos produtos e serviços economicamente viáveis e que forneçam um mercado global” e aceder a uma rede de mais de 40 mentores “nacionais e internacionais, parceiros especialistas no sector, clientes potenciais e investidores”, esclarecem os promotores.

Conforme explicam, “a bioeconomia azul terá um papel crucial na resposta a alguns dos maiores desafios que o mundo enfrenta hoje e como tal, a edição deste ano está focada na procura de soluções para quatro desafios principais”: como alimentar uma população crescente, as alterações climáticas e a redução de emissões de CO2, a escassez de recursos e redução/substituição de plásticos e ainda procurar soluções de bem-estar para uma população mais envelhecida.

As duas Fundações pretendem que o programa tire “partido da crescente emergência de Portugal como um local de eleição para atrair startups / empresas e empreendedores inovadores, como tem acontecido em particular nas áreas de IT e Web” e que contribua para Portugal se tornar num “pólo europeu relevante e inovador no desenvolvimento da mais moderna bioeconomia marinha, promovendo uma utilização mais sustentável do oceano”.

 

Lista das 13 empresas e projectos seleccionados (de acordo com dados fornecidos pelos promotores):

Bluemater SA, Porto, (Portugal) www.bluemater.com: Soluções sustentáveis e acessíveis para transformar efluentes poluídos em recursos hídricos seguros e de qualidade.

Endobios, Oeiras, (Portugal): R&D e consultoria, para descoberta de produtos naturais bioativos, provenientes de fungo marinho, com o objectivo de criar soluções para a indústria farmacêutica.

Futuralga (Espanha): Produtos de algas biodegradáveis para substituir o plástico.

Hoekmine (Holanda): Pigmento sustentável de bactérias para criar cores para uso em roupas, cosméticos e outras indústrias.

Lusalgae, Figueira da Foz (Portugal), www.lusalgae.pt: Cultura de algas marinhas e investigação de aplicações para vários sectores. Tem uma marca de cosméticos.

MadeinSea, Faro (Portugal): Aquacultura multitrófica integrada, incluindo algas, e transformação do polissacarídeo de algas do género Ulva para usos biotecnológicos.

Undersee, Coimbra (Portugal), www.matereo.com: Consultoria para projecto estrutural, dinâmica de fluidos e engenharia térmica. Desenvolveu um dispositivo e aplicação para recolher dados de qualidade da água em tempo real.

Penwavers, Peniche (Portugal), www.pen-wave.org: Produção de microalgas e fitoplâncton como alternativa para nutrição e outras utilizações.

SEAentia, Cantanhede (Portugal), www.seaentia.com: Produção sustentável em aquacultura de corvina num sistema de recirculação. Seguindo um conceito de economia circular, a empresa espera expandir a produção de algas, mexilhões e outras espécies.

Seagrass Tech Private Ltd. (India), www.seagrasstech.com: Desenvolveu uma plataforma de tecnologia escalável para produzir microalgas marinhas para um planeta saudável e sustentável.

Tilamur (Espanha), www.tilamur.com: Produção de alimentos em aquacultura e hidroponia 100% sustentável – Corvina e Seriola. Desenvolveu uma fórmula inovadora de ração para peixes baseada em algas e vegetais.

Vetik Ou Production (Letónia): Produção de um corante natural, a partir de algas marinhas vermelhas, para utilização nas indústrias alimentar e cosmética.

B’Zeos (Noruega), www.bzeos.com: Produção de palhinhas 100% sustentáveis e orgânicas, de origem vegetal, com desperdício zero, comestíveis e sem açúcar (palhinhas ZEOS), como alternativa às palhinhas de plástico.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill