No âmbito da campanha "Campaign for a Plastic Free Ria Formosa" várias entidades juntaram-se para resgatar três baterias de grande porte extremamente poluentes.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

No âmbito da campanha “Campaign for a Plastic Free Ria Formosa” promovida pela aECO com o apoio da European Outdoor Conservation Association e a colaboração da Associação de Moradores e Amigos da Ilha da Culatra, Universidade do Algarve e da Capitania do Porto de Olhão, uma equipa conseguiu resgatar, recentemente, três baterias abandonadas perto do cais de embarque da lha da Culatra. 

Ao que tudo indica, as baterias de grande porte, extremamente poluentes, deverão ter sido abandonadas por um indivíduo alemão. No entanto, a Polícia Marítima apreendeu as baterias para poder posteriormente identificar o autor do crime. 

A aECO confirma que esta não será a única acção de limpeza. Já está agendada outra acção para o próximo dia 21 de julho. 



Um comentário em “Foram resgatadas três baterias poluentes perto da Ilha de Culatra”

  1. Orlando Temes de Oliveira diz:

    Pois é…. E depois temos o nosso Ministro do Ambiente a fazer propaganda aos carros electricos. Os nossos netos irão ter o mesmo problema que agora temos com as garrafas de plástico.
    As novidades quando aparecem são estupendas mas não se avisa as futuras consequências negativas. Porque não diz desde já como serão tratadas as baterias em fim de uso? O negócio manda em tudo…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill