O programa Marine-i, através do FEDER, apoiará a continuação do desenvolvimento de um braço robótico da Submarine Technology Ltd destinado a operações em navios autónomos
Marine-i
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O projecto de construção de um braço robótico para operações autónomas da Submarine Technology Ltd (STL), empresa especializada em tecnologias marítimas, foi contemplado com um apoio do Marine-i, um programa financiado pela União Europeia (UE) através do Fundo Europeu para o Desenvolvimento Regional (FEDER) para o desenvolvimento da inovação marítima na Cornualha (Reino Unido).

O braço robótico é um equipamento multi-axial assente num navio e destina-se a operações sem a intervenção humana. Conforme esclarece o Marine-i, está integrado na nova Autonomous Synchronised Stabilised Platform (ASSP) e destina-se a tarefas realizadas a bordo de navios autónomos de superfície (autonomous surface vessels, ou ASV). Graças a este apoio do Marine-i, a empresa poderá passar à fase seguinte do deenvolvimento desta tecnologia.

As tarefas que futuramente serão exigidas a este tipo de navios incluem a transferência de equipamentos, gestão de pagamentos, pesquisa e inspecção, entre outras. Para o Marine-i, no futuro, os ASV terão um papel especialmente importante nas inspecções e no apoio ao serviço dos parques eólicos offshore e outras tecnologias relacionadas com as energias renováveis.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill