Comandante na reserva, com uma carreira de mais de 30 anos na Marinha, foi considerado uma das principais autoridades mundiais em instrumentos de marinharia
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Faleceu recentemente, aos 94 anos, o Comandante Estácio dos Reis, que foi, segundo refere a Marinha, “um dos principais investigadores da História da Marinharia e dos Instrumentos Náuticos” e “uma das maiores autoridades internacionais em termos de instrumentação de marinharia”.

Nascido em Lisboa, Estácio dos Reis entrou na Marinha em 1943 e aí fez uma carreira com mais de três décadas, durante as quais embarcou e desempenhou comissões no Ultramar e no estrangeiro, até passar à reserva, em 1979.

Depois disso, dedicou-se à ciência náutica e em 1980 foi colocado no Museu de Marinha, onde organizou várias exposições. Em 1982 fez parte da Comissão Cultural da XVII Exposição Europeia de Arte, Ciência e Cultura e depois disso da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Em 1990, participou na Exposição Portugal-Brasil – A Era dos Descobrimentos Atlânticos, em Nova Iorque, que nesse ano foi repetida na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Um ano depois, reformou-se, mas prosseguiu a sua pesquisa

Pertenceu igualmente à comissão científica que reeditou das Obras Completas de Pedro Nunes, coordenada por Henrique Leitão, e que seriam publicadas entre 2002 e 2011, e foi autor de diversas obras, entre livros e artigos.

No portal oficial da Marinha refere-se que “revelou, ao longo da sua vida, particular fascínio pelos astrolábios” e que a ele se deve “a riqueza única da maior colecção de astrolábios, patente no Museu de Marinha”. Numa nota de pesar pelo seu falecimento, o Chefe de Estado-Maior da Armada, Mendes Calado, referiu sobre ele que “poucos trouxeram tanto saber e dignidade científica às obras e artigos publicados”.

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill