NASA envia uma equipa de investigadores ao nordeste do Oceano Pacífico para estudar os micro-organismos responsáveis pela desacidificação dos oceanos.
IMO
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Uma equipa de investigadores irá realizar, a bordo dos navios de pesquisa Roger Revelle e Sally Ride, em Agosto, uma expedição científica no nordeste do Oceano Pacífico para estudar o ciclo de vida dos micro-organismos que representam um papel fundamental na desacidificação dos oceanos, segundo comunicado oficial da NASA (National Aeronautics and Space Administration), que chefia o projecto em conjunto com a National Science Foundation (NSF).

Sob a égide da Export Processes in the Ocean from Remote Sensing (EXPORTS), campanha científica multidisciplinar da NASA que providencia informação sobre o oceano, esta será a primeira expedição para estudar o plâncton microscópico e o seu impacto no ciclo de carbono da terra. E contará com um avançado robot subaquático, denominado Sieglider.

O fictoplâncton é um organismo minúsculo parecido com uma planta que vive na superfície do oceano, cresce com a luz solar e com o dióxido de carbono, desempenhando por isso um papel fundamental na remoção do dióxido de carbono atmosférico e na produção de oxigénio. Deste modo, a equipa irá investigar a composição do fitoplâncton e a quantidade de carbono que se move no oceano (tanto na superfície como nas profundidades) e de que forma os processos oceânicos afectam o destino do carbono, de modo a entender quanto é que se infiltra nas profundidades do oceano e quanto é devolvido para a atmosfera.

“Desenvolvemos o EXPORTS para observar simultaneamente os três mecanismos básicos pelos quais o carbono é levado da superfície do oceano para a profundidade. Estamos a estudar a biologia e a ecologia do fitoplâncton na superfície da água, para entender de que forma as suas características impulsionam o transporte de carbono até a zona de crepúsculo e, em seguida, o que acontece com o carbono nas águas mais profundas”, explicou David Siegel, cientista da Universidade da Califórnia, Santa Bárbara, ligado ao EXPORTS.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill