Uma investigação de cientistas da Universidade de Kent concluiu que as políticas de pesca da União Europeia favorecem mais os grandes interesses e os ricos armadores do que os pescadores artesanais e as comunidades piscatórias locais
Sciaena
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A pesca artesanal tem sido afectada por políticas da União Europeia (UE) que favorecem os grandes negócios e ignoram abordagens mais sustentáveis de conservação dos stocks de pesca, concluiu uma investigação da Universidade de Kent (Reino Unido) realizada por Alicia Said, Douglas MacMillan, e Joseph Tzanopoulos,da School of Anthropology and Conservation, citada pelo Science Daily e inicialmente referida no Frontiers in Marine Sciences.

No seu trabalho, que avalia o impacto das políticas europeias sobre a pesca artesanal, os investigadores contactaram com comunidades piscatórias, pescadores e políticos e juntaram com análises políticas e económicas detalhadas.

No artigo da Science Daily sobre o estudo, refere-se que a investigação concluiu que os pescadores estão a ser afastados do mar por políticas específicas que favorecem barcos maiores e armadores ricos. O que é agravado por medidas inadequadas de controlo da pesca recreativa, que contribuem para maior pressão sobre os stocks e pela verificação de que métodos controversos que também favorecem a pesca em larga escala e o ecoturismo.

Citando Douglas MacMillan, o artigo refere ainda que as políticas da UE incidem muito na conservação dos stocks e não têm regulamentação política significativa que garanta que as quotas para a sobrepesca, como as do atum, sejam equitativamente partilhadas entre os pescadores.

Diz este investigador que “isto permite que as nações, individualmente, implementem as suas próprias políticas, que mais vezes do que menos, são capturadas pelas elites locais para garantirem a sua riqueza e o seu poder através, por exemplo, da captura de toda a quota”. O investigador diz ainda que “medidas adicionais de conservação, como as zonas de não pesca, são rudes e tendem a reduzir toda a actividade de pesca em largos segmentos das águas costeiras, independentemente de saber se a pesca dessas zonas é ou não sustentável”.

 



2 comentários em “Estudo conclui que UE prejudica pesca artesanal”

  1. Custódio Lopes diz:

    Estou completamente de acordo,se pagasse-mos para abater as licenças de arrasto aos armadores ricos o peixe nunca mais faltava

  2. Ana Isabel Bessa diz:

    Realmente ..estes estudiosos modernos, precisam de muitos cursos para constarem o obvio. Desde o “meretissimo” Cavaco Silva, que recebeu subsídios para o abate de embarcações, que o povo sem cursos, tem este triste conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Seminário WavEC 2018

    4 Dezembro, 2018 - 5 Janeiro, 2019
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill